Pirapanema Completa 91 Anos: Até 1924 era conhecida como Camargo, um pequeno povoado de Muriaé

Relato do morador e líder comunitário, Jáder Pedrosa: “Até 06 de junho de 1924, o atual distrito de Pirapanema, era denominado Camargo (povoado), cuja área urbana (3 alqueires) foi doada em 1897 para N.S.da Conceição, pelo casal Domingos Gomes Ferreira e Maria Magdalena de Jesus. Com a elevação a distrito(06/06/1924), instalou-se o Cartório de Notas e Registro Civil, nestes 91 anos, conseqüentemente seu povo passou a participar da vida jurídica do município a que pertence (Muriaé). Pirapanema compreende uma vasta área territorial incluindo-se as comunidades da Estiva, Santa Rosa, Mendes, Ancorado de Baixo, Independência, Usina da Fumaça (lado direito Rio Fumaça-Igreja), Grama, Santa Mônica e Águas Claras. Desde a sua elevação, a família Gusman Pedrosa, está à frente do mencionado cartório, destacando-se o Sr. Agostinho Gomes Pedrosa(54 anos), Jáder Luiz Gusman Pedrosa, (24 anos), Jáder Luiz Gusman Pedrosa Jr, Antônio Robson Pereira Costa , Andréa Berizonzi Pedrosa Costa e Yasmim Pedrosa Costa. Tivemos vários juízes de Paz, destacando-se os Srs. Duvard Luciano de Oliveira, Antônio Baêsso, Crisântio Manoel da Silva, sendo o atual, o Sr. João Carlos da Silva (40 anos). Tivemos aqui também a agência dos Correios (Federal), cuja serventuária foi Honorina Gusman Pedrosa, aposentada com 40 anos de efetivo exercício. Pirapanema é o único distrito que teve um Prefeito eleito: Cândido José Monteiro de Castro (dois mandatos), sempre eleitor aqui. 

[nggallery id=13]

O primeiro Vereador Justino Ferreira Pedrosa e posteriormente vários outros como Jacy Vargas, Angelo Guarçoni, Antônio Baêsso e Cleber de Andrade Ligeiro, ora aqui residentes. Na época de sua elevação a distrito, houve um grande desenvolvimento, com a implantação de farmácia, consultório dentário (Sylla Ururahy Macedo), padaria, loja de tecidos, armazéns de café, cereais, etc. Foi construído o Cemitério, sendo a área doada por Cel.Elydio Guarçoni. Em 1979, nosso distrito contava com 37 domicílios residenciais, ocasião em que a Diocese de Leopoldina , através de seu procurador Dr.Paulo de Oliveira Carvalho e Monsenhor Chammel, objetivou-se a transferências de vários terrenos, abrindo-se novas ruas e construindo-se novas casas. A partir de 1983 tivemos a Eletrificação Rural; Escola Família Agrícola (hoje Escola Novo Horizonte) na Zona Rural; rêde de água potável; calçamentos de algumas ruas; vestiário do campo de futebol; posto de saúde; creche; centro comunitário;posto postal; reforma e ampliação da Igreja Católica; reforma e ampliação da Igreja Assembléia de Deus; do ano 2.000 até hoje, tivemos a chegada do asfalto, (BR-356-Muriaé/Ervália), com substancial melhoramento dos ônibus coletivos, abrindo mais horários e empresas(antigamente era apenas um horário), hoje, contamos com três empresas (Novo Horizonte/Eromave e Unida) com 29 horários(vice-verso); construção da creche municipal Escola Municipal Sylla de Ururahi Macêdo, na sede do distrito, pois até então o imóvel era alugado; reforma e ampliação da Igreja Metodista: quadra poliesportiva; alambrado no campo de futebol; calçamento de várias ruas e o mais importante: Os eventos de Gastronomia na Serra e Open de Parapente que realmente vieram para ficar, transformando a comunidade em todos os seus aspectos. Tanto assim que já é considerado o maior evento cultural de nosso município. Temos na Zona Urbana a Hospedagem Recanto da Embaúba, a Chácara D’Agostinho (Hospedagem, Campping, Pesque Pague e Eventos) e o Restaurante Segredos da Serra e um comércio crescente; na Zona Rural, temos a Pousada Paraíso, com serviços completo de restaurante e lazer; o Sítio dos Pedrosa, com hospedagem, local para refeições e lazer; Restaurante do Eder(Usina da Fumaça). Temos também dois empreendimentos que muito estão valorizando nossa terra: O Condomínio Residencial Onofre Gouvêa, na Serra e o Condomínio Residencial Baêsso, na sede do distrito.

Um grande fato histórico aconteceu na década de 1990, fomos convocados a ir às urnas para votar sim, ou não, para que o nosso então vizinho distrito de Rosário da Limeira emancipasse. O resultado em Pirapanema foi negativo, pois, mais de 80% votou não, mas, o então Governador do Estado de MG (Hélio Garcia), decretou a nossa anexação, mas, com muito trabalho, o povo de Pirapanema, mais alguns distritos envolvidos no ato do Governador, foram ao STF e conseguiram a Inconstitucionalidade do ato do Governador, com isso continuamos a pertencer a 2ª cidade da Zona da Mata (Muriaé). Em algumas reuniões tivemos debates, que se as nossas Escolas encaixassem as histórias e geografias locais, seriam muito importantes para os alunos”.

Por Silvan Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *